Por Christina Radish (15 de abril de 2019)

Dirigido por Jenny Gage e baseado no livro imensamente popular de Anna Todd, o drama romântico After segue Tessa Young (Josephine Langford), quem embarca em seu primeiro ano da faculdade como uma aluna dedicada e filha obediente, até sua colega de quarto convencê-la a experienciar o lado social da faculdade. Depois que um jogo de ”Verdade ou Desafio” é seguido por uma rejeição que intriga o misterioso britânico importado Hardin Scott (Hero Fiennes-Tiffin), os dois aprendem que possuem mais em comum do que jamais imaginariam, mas ao mesmo tempo, o segredo que Hardin está escondendo poderia rasgar qualquer chance que eles possuem de um amor real.
No dia de entrevistas para o filme em Los Angeles, Collider teve a oportunidade de sentar e conversar de 1 para 1 com o ator britânico Hero Fiennes-Tiffin sobre o apelo de interpretar esse personagem, assumir seu primeiro papel principal em um filme, o quão grato ele é pela devoção dos fãs da série de livro, gravar a cena do lago, os dias mais divertidos e desafiadores no set, como ele se aproxima de sua carreira, e as duas séries de TV que ele amaria ser um convidado.

Parece que esse é um daqueles personagens que, quando você lê o roteiro, qualquer um gostaria de interpretá-lo.
Exatamente, sim.

E você não estava familiarizado com a série de livros, nem sabia o quão popular eles eram?
Não, eu não estava. Eu uso a frase “vivendo sob uma rocha”, quando digo que não tinha ouvido falar sobre isso enquanto muitas outras pessoas o fizeram. Mas como você disse, o personagem é o tipo de personagem que qualquer um gostaria de interpretar, a qualquer momento, mas especialmente para o seu primeiro papel principal. Eu tive que interpretar um personagem tão complexo, problemático e misterioso, onde foi lentamente revelado por que ele é como é, ao longo do tempo para o público.

Este filme também lhe deu a oportunidade de fazer muitas coisas diferentes.
Sim, exatamente. Foi muito bom tocar uma variedade de emoções e fazer várias coisas. Com isso não apenas sendo um protagonista, mas meu primeiro protagonista, eu sinto que isso torna tudo mais divertido. Foi legal poder interpretar um personagem tão interessante.

Como se sente ao fazer seu primeiro protagonista? Isso foi algo que você sentiu pronto?
Eu sinto que é algo que você não pode estar preparado. Você apenas prepara o seu melhor e percebe que há algumas coisas que você não vai saber, até chegar lá e descobrir. Foi uma experiência muito divertida. Eu estava sempre pronto para mergulhar no fundo do poço e descobrir como passar pela experiência. Foi exatamente isso que fizemos e foi ótimo.

Como foi esse processo de audição, especialmente ter sido contratado antes mesmo de você saber quem seria a Tessa para o seu Hardin?
Eles contrataram Tessa dois dias antes de eu embarcar no avião para ir a Atlanta por dois meses. Uma mensagem de Jennifer Gibgot, uma das produtoras, apareceu com uma foto de Jo, que dizia: “Esta é Tessa, a propósito. Você a verá quando a conhecer e nos veremos daqui a dois dias.”Sinto que minha abordagem é muito grande, você recebe o que recebe e trabalha com ela. Eu me concentro mais nas coisas que eu tenho controle, como aprender as falas desde cedo, aprender o personagem de dentro para fora, e todas essas coisas. Então, você é apresentado à pessoa quem você fará o par e faz as coisas com o melhor de sua capacidade. Se todo mundo faz isso, é assim que você faz um bom filme.

Você teve um momento em que realmente sentiu que tinha pegado quem é Hardin Scott?
Eu não acho que houve um único momento, mas todos os dias, depois das filmagens, nós voltávamos para o hotel e tínhamos o que parece ser um tempo livre, mas de alguma forma conseguimos gastar muito disso apenas relaxando e conversando, fora do hotel ou no lobby. Apenas tendo Anna [Todd] lá, ela veio assistir a um dos nossos ensaios, e assim que chegamos ao fim, eu olhei para ela e ela estava em lágrimas. Obviamente, foi tão bom poder trazer sua história à vida para ela, e fazer bem. Espero que tenham sido lágrimas de alegria e não tristeza. Foi um bom momento em que percebemos: “Ok, estamos fazendo a coisa certa. Se ela está feliz, os fãs ficarão felizes.”

Como foi perceber que não só existe essa louca base de fãs para esses livros, mas que os fãs têm seu próprio nome, Afternators, e esses personagens têm nome de casal, Hessa?
Eu acho que talvez eu esteja dando um pouco de graça. No meu próximo projeto, eu vou dizer: “Onde está todo o apoio?” É tão incrível. Somos muito gratos por termos tantas pessoas nos apoiando. Eles pensaram: “Achamos que você é perfeito para o papel. Nós mal podemos esperar para ver o filme. Nós amamos o seu trabalho.” Isso é muito, muito gratificante e bom de receber. Talvez a gente não veja o lado do ódio, mas acho que temos sorte nesse sentido. Espero que eles continuem a sentir o mesmo, e que não assistam ao filme e mudem de ideia. Estou confortável por termos feito um bom trabalho.

No filme, Hardin parece que foi um pouco suavizado em comparação aos livros.
Eu acho que o jeito dele nos livros faz com que seja algo mais interessante, porém se você levar isso para a tela em 2019, é apenas uma coisa completamente diferente. É bom que todos, incluindo Anna [Todd] e Jenny [Gage], tenham reconhecido isso. Eu acho que foi importante fazer essas mudanças e embarcar juntos. Eu sinto que o jeito que foi adaptado tem sido muito bom e profissional.

Com este filme, muitas pessoas vão estar falando sobre a cena do lago, que é uma cena linda, mas parece que a realidade das filmagens pode ser mais desafiadora do que você esperava. Como foi gravar? Foi difícil passar pelo diálogo e não engasgar com a água?
Sim. A primeira vez que nós entramos, estava realmente quente e ensolarado, assim eu quis entrar. Era só um corpo agradável de água, em um dia realmente quente, úmido em Atlanta. Nós estávamos muito prontos para pular dentro. Depois de alguns dias, onde suas mãos estão enrugadas e você continua saindo, e você não seca porque você não trouxe uma toalha, nós apenas ficamos lá, congelando no chão. Ao todo, foi muito divertido. Havia algumas partes onde, quando estávamos conversando e prestes a nos beijar, eu estava usando nadadeiras porque eu poderia ficar em pé se eu fizesse isso. Se eu tivesse escorregado, teria me afogado, mas você tem que se adaptar. Era tão bom ter uma variedade de coisas para fazer, e a cena do lago era muito divertida. Ter que pisar a água e dizer as falas sem ar era definitivamente um pouco desafiador. Eu tive cãibra quando eu estava na ponta dos pés, duas vezes. Mas chegamos lá no final. Definitivamente teria sido menos legal, se eles escolhessem cenas e ângulos diferentes, mas parece bom.

Com uma cena como essa, você sentiu um senso extra de responsabilidade porque esse é um momento que os fãs do livro estarão esperando?
Sim. Tivemos muita sorte, na época, de não estarmos muito conscientes disso. No roteiro, há cenas muito impactantes e importantes, mas eu pessoalmente não pensei, na época, “Essa é uma cena que temos que fazer perfeitamente porque, se não for, os fãs vão pensar que é um filme diferente”. É bom ter essa liberdade e não sentir muita pressão lá.

Você esteve em todo o mundo com este filme.
Sim.

Como foi ouvir as reações em diferentes países? Você acha que as pessoas estão respondendo às mesmas coisas ou estão respondendo a coisas muito diferentes?
Eles respondem às mesmas coisas, mas em níveis diferentes. Alguns grupos de fãs são mais entusiasmados do que outros. Houve muitos gritos no Brasil e na Espanha. Na França, houve um pequeno grito, mas todo mundo era muito civilizado. É engraçado ver como diferentes fãs respondem de maneira diferente, em diferentes áreas. Em toda a linha, tem sido extremamente favorável. É muito gratificante ter um monte de pessoas dizendo: “Você é ótimo. Nós amamos isso. Obrigado.” É um bom impulso para o ego, por isso somos gratos a eles. Espero que, quando virem o filme, não mudem de ideia.

Qual foi o dia mais divertido no set?
Talvez o primeiro dia da cena do lago, apenas sendo capaz de pular nele, tenha sido o mais divertido. Nessa fase, estávamos muito confortáveis ​​com o elenco e a equipe, o que foi divertido de se fazer. E eu realmente gostei de todas as cenas em grupo. Nós passamos muito tempo juntos e nos conhecemos, então foi legal poder entrar no set e fazer o que estávamos fazendo juntos.

Houve um dia mais desafiador?
Houve um dia em que a maior parte do elenco estava toda em uma cena, e você tem que ter muitas cenas diferentes para obter cobertura de todos, então você tem que fazer a mesma cena muito emocional, de novo e de novo e de novo . Obviamente, você quer fazer o seu melhor quando está fora da câmera, para as outras pessoas se alimentarem, mas isso tem o seu preço. Você tem que ser bastante tático sobre onde você coloca todo o seu esforço e se certificar de que quando é sua chance, você acerta. Isso foi um desafio, mas é bom pular no fundo e testar a si mesmo.

Agora que você realizou seu primeiro projeto como protagonista, como descobrir qual é a próxima coisa? Você pensa muito mais sobre o que fazer a seguir, depois de fazer algo assim?
Eu sempre quis demonstrar vários papéis diferentes quando atuo e faço projetos diferentes, e nunca faço o mesmo. Quando me perguntam: “Qual é a sua coisa favorita para fazer, o personagem dos seus sonhos ou a história em que gostaria de se envolver?”, sempre deixei isso de lado porque quero fazer uma variedade de coisas. Não é como se eu estivesse pensando: “Tenho que fazer algo completamente diferente agora”, mas sempre tive consciência de demonstrar vários papéis. É bom ter isso em mente e agora estou ansioso para outras coisas, e também continuar contando essa história porque temos mais a dizer. Eu sou muito grato a Anna e a todos os envolvidos, por estar tendo uma experiência tão grande fazendo isso e agora estando em uma posição onde eu posso fazer outras coisas. Mais ofertas estão chegando, então você pode ser um pouco mais exigente e levar o seu tempo com isso. Eu sou eternamente grato a Anna e tudo relacionado a After, por essa posição que eu estou agora.

Você está de olho em filmes e projetos de TV?
Sim, filme e TV. Eu não sou de modo algum influenciado por um, mais do que pelo outro. Eu sinto que não tenho muita preferência. Com a TV, é apenas um processo mais longo, por isso você precisa ter mais certeza de que realmente quer se envolver nela por mais tempo do que seria com o filme. Você também não gostaria de fazer um filme em que você não queira se envolver. A mesma coisa se aplica. Então, eu não tenho muita preferência.

Existe um programa de TV atual que você adoraria fazer um convidado ou se apresentar?
Eu teria que dizer Game of Thrones.

Vai ter um spin-off, então ainda há uma possibilidade lá.
Ah sim? Eu nem sabia. Capaz. Eles não param, não é? Eu não faria, se fosse eles. Vou ter que falar com meu agente. Há também um programa chamado Top Boy, que é baseado em Londres, é tão bom. Então, Game of Thrones e Top Boy, eu definitivamente ficaria feliz em colocar no meu top dois. Isso seria tão legal.

Matéria: Collider | Tradução: Rebecca (Equipe Hero Fiennes-Tiffin Brasil)
Arquivado em After, Entrevista, Filme