Confira abaixo a tradução da entrevista de Hero para a Elle Magazine:

Hero Fiennes Tiffin – cheirando levemente a fumaça de cigarro e mexendo gentilmente seu semiacabado coquetel – tem falado sobre amor e relacionamentos por quase meia hora quando finalmente solta a bomba. ‘‘Por incrível que pareça’’, ele começa, um pouco receoso, ‘‘Eu nunca tive, tipo, um relacionamento sério. Eu nunca tive uma garota que eu chamaria de minha namorada.’’

É uma revelação surpreendente vindo de um ator britânico de 21 anos, que é, francamente, bastante adaptado em fazer os tipos de coisas que garotos que possuem muitas namoradas fazem. Sentar-se diante dele é testemunhar uma montagem de comportamentos de galã. Ele está correndo seus dedos através seu cabelo, piscando uma vez você perderá um sorriso com covinhas, lambendo seus lábios antes de navegar em um ponto particularmente apaixonado. Ah, e tem também o fato que seu retrato faiscante de Hardin Scott na próxima adaptação de fan fiction de One Direction, o filme After, seu primeiro papel principal, parece, bem, praticado.

Para muitos adolescentes na internet, Hardin representa o último namorado mal. Inspirado pelo cantor da 1D, Harry Styles, o personagem apareceu pela primeira vez em uma saga de mais de 2.500 páginas, publicada na plataforma Wattpad, onde já acumulou mais de 1,5 bilhão de leituras. Quando a Gallery Books lançou o livro como uma série de livros em cinco partes, tornou-se um fenômeno literário genuíno. Basta dizer que há mais do que algumas garotas que pretendem ver o novo filme de Fiennes Tiffin na noite de estréia no próximo mês.

A ninharia em nível de especialista do jovem ator também chamou a atenção de diretores de elenco na indústria da moda. Seu sorriso carinhoso aparece proeminentemente em um filme de moda Erdem x H&M dirigido por Baz Luhrmann em 2017, e Fiennes Tiffin está atualmente vestido com calças slim e um moletom cinza, ambos presenteados a ele pela Dolce & Gabbana depois que ele apareceu em uma de suas campanhas. ‘‘Na pequena quantidade de trabalho que fiz como modelo, sempre me disseram que eu nunca sorrio,’’ ele diz. ‘‘Se eu for dito para sorrir, vou sorrir. Mas meu normal é uma cara de parafuso. Cara séria. Um olhar zangado. Acho que isso me beneficiou em interpretar o Hardin.’’ Ele ri dessa constatação. ‘‘Sorrir não era comum em muitas cenas.’’

O primeiro papel distintamente sombrio de Fiennes Tiffin foi o jovem Lord Voldemort, também conhecido como Tom Riddle de 11 anos, em Harry Potter e o Enigma do Príncipe – que ele conseguiu, em parte, graças a sua relação (e semelhança) com Lord Voldemort adulto, interpretado por seu tio Ralph Fiennes. Quando perguntado qual nome é mais pé-no-saco para viver – seu primeiro ou o último – ele se inclina para trás em seu banquinho, geme e solta uma pequena risada. ‘‘Essa é uma boa pergunta’’, ele responde, embora no final se recuse a morder a isca. ‘‘Eu não penso nisso como um pé-no-saco. Eu penso nisso como uma benção.’’

Ao invés de falar sobre sua família do show biz (seu outro tio que é ator, Joseph, e seus pais, uma diretora de cinema e um diretor de fotografia), Fiennes Tiffin é mais feliz em falar sobre seus amigos. Eles são os ‘‘Garotos M’’, um grupo de 20 pessoas com quais ele cresceu e continua em contato via um grupo gigante de mensagens; a prima dele, cujo ele planeja se encontrar mais à noite (‘‘Feliz aniversário, Cheyenne!’’ ele grita na minha gravação); e uma garota chamada Ruby, cujo ele agradece por ter recomendado uma joalheria por perto onde ele logo procurará uma nova corrente.

Há poucas evidências do lado excitável e indisciplinado de Fiennes Tiffin em Hardin, e o bad boy desleixado vestindo uma camiseta do Ramones provavelmente zombaria das escolhas de indumentária mais atormentadas do ator. É provavelmente para o melhor que Fiennes Tiffin (que também foi recentemente escolhido para interpretar um soldado da União no drama de guerra Freedom’s Path) se distancia do personagem um tanto problemático, já que a série já provocou intensos debates sobre que tipo de mensagem a dinâmica entre Hardin e seu interesse amoroso, Tessa (Josephine Langford), envia para mulheres jovens, e se esse gênero de fan fiction de tesão e torto é muito retrógrado para a nossa era pós #MeToo. Ainda assim, Fiennes Tiffin está confiante de que o filme caiu no lado certo das coisas, em grandes e pequenas formas. ‘‘Houve uma direção onde estamos rindo e fugindo de alguém, e Tessa tropeça e Hardin a estabiliza,’’ ele diz. ‘‘E a diretora disse, muito bem colocado,: ‘Esta é uma direção sem sentido. Assume-se que as meninas não podem correr sozinhas.’ Foi uma das muitas coisas que estávamos conscientes ao filmar.’’

Veja: Hero Fiennes-Tiffin confirmado em novo projeto cinematográfico (Freedom’s Path)

Os fãs, por sua vez, têm poucos escrúpulos. Com cada notícia relacionada à After, Fiennes Tiffin se prepara para uma enxurrada de seguidores no Instagram – muitos deles usam emojis de olhos de coração e chorando de felicidade, junto com comentários do tipo: ‘‘Eu amo você com todo o meu coração’’ e ‘‘Minha eu da sétima série está chocada.’’ E quando os recursos não chegam rápido o suficiente, os próprios fãs fazem (caso em questão: o ‘’trailer’’ montado e remendado dos trabalhos anteriores de Fiennes Tiffin e Langford), o que faz sentido considerando as origens de After. Tem sido um furacão para alguém que até recentemente era mais conhecido por interpretar um pré-adolescente Tom Riddle. ‘‘Foi tão chocante para mim quanto para qualquer outra pessoa,’’ ele admite. Então, como se fosse uma sugestão, ele lambe os lábios e diz: ‘‘É difícil, mas de um jeito bom.’’

Matéria Original: Elle Magazine | Tradução: Rebecca e Karoline (Equipe Hero Fiennes-Tiffin Brasil)

Arquivado em After, Destaque, Entrevista, Filmes, Notícia, Notícias