ELLE GIRL RÚSSIA

Estamos na temporada de entrevistas!! Confira abaixo, traduzida, a entrevista de Hero para a Elle Girl Rússia.

Apesar da agenda ocupada, Hero encontrou um tempo para nós e ele ligou lá da Londres chuvosa antes da Promo Tour, para nos contar sobre seu novo drama de romance e saciar a nostalgia de Harry Potter.

EG: Hero, nós mal podemos esperar pelo lançamento de “After”! Esse foi seu primeiro papel principal. Existiu algum ritual especial para se aproximar do personagem?

Hero: Eu não costumo conduzir nenhum ritual para me aproximar de um personagem, mas me preparar para o papel de Hardin foi muito diferente do normal. No ensaio, eu tinha apenas duas semanas e isso é, na verdade, insanamente pequeno! Em geral, tive a sorte de ter tido a oportunidade de conversar com diretores e trabalhar com um professor de atuação porque não havia tempo. No set, tudo aconteceu tão rápido que mal tivemos tempo de navegar.

EG: Você acha que tem algumas semelhanças entre você e seu personagem Hardin? Ou você é completamente diferente?

Hero: Bem, nós temos algumas características comuns, mas em geral, não somos a mesma pessoa. A única coisa que nos aproxima é a capacidade de pensar demais por muito tempo e, como resultado, ser inteligente demais. Isso não é bom, eu sei, eu sei (risos).

EG: O que Hardin te ensinou?

Hero: A confiar em minha própria intuição, ouvir o que meu coração diz, e não negligenciar algumas coisas puramente instintivas da intuição.

EG: O filme “After” foi classificado como um gênero drama romântico. Com que frequência você assiste algo assim? Você tem, a princípio, gêneros e filmes favoritos?

Hero: Eu não assisto frequentemente dramas românticos, mas às vezes eu posso assistir algo assim. É como com música – não há gêneros ruins, em cada um deles terá algo legal. E quanto ao filme, então eu adoro filmes de terror e policiais. Eu gosto da imprevisibilidade do enredo, situações inesperadas e, claro, movimentos bem escritos. Eu diria que o meu filme favorito é “Memento“, é impossível prever o que realmente está acontecendo. Geralmente, no topo dos verdadeiros clássicos, eu amo “Pulp fiction“, “O resgate do soldado Ryan” e tudo isso.

EG: Que tipo de música você prefere?

Hero: O mais diferente. Eu ouço muito rap, há canções de Lana Del Rey e até mesmo folk irlandês na minha playlist. Eu amo artistas americanos também, mas acima de tudo, provavelmente, rap inglês. Me parece que os representantes da geração mais jovem em geral, distinguem o rap no contexto do resto.

EG: Claro, não podemos nos impedir de perguntar sobre o seu papel do pequeno Tom Riddle em Harry Potter. Você se lembra do que sentiu quando foi ao set pela primeira vez?

Hero: A primeira vez eu estive no set foi apenas como convidado. Eu não podia imaginar que seria parte dessa história. Quando vi Dan (Daniel Radcliffe), não pude imaginar que iria apertar sua mão uma vez e dizer: “Oi Daniel, é um prazer te conhecer, vou fazer o papel de seu inimigo mortal” (risos). Eu sou incrivelmente feliz porque eu pude me tornar uma parte disso.

EG: E se você realmente estudasse em “Hogwarts”, então o que você acha, para qual casa você seria enviado pelo Chapéu Seletor?

Hero: Eu definitivamente iria para a Sonserina porque está no meu sangue (risos). Muitos ainda acreditam que Sonserina é uma casa onde um vilão vai, mas se você mergulhar na história de Hogwarts, isso não é absolutamente verdade.

EG: Nossa revista de abril é dedicada ao tema da saúde mental. Você já encontrou crises de autopercepção ou autodeterminação?

Hero: Eu tive muita sorte, porque eu não tive nada disso. No entanto, meus amigos próximos sofriam de ansiedade, ataques de pânico e você não diria que eles têm algo errado. Por fora, tudo parecia normal, mas por dentro eles simplesmente explodiam por todos esses problemas. Me parece que em tal situação é importante entender que você não está sozinho e que tais coisas acontecem a muitos. Você precisa monitorar constantemente seu estado mental, para que esses problemas não dominem sua vida, não sobreponha todas as coisas boas com ele, e, é claro, é importante ficar atento para que essas coisas não ocorram.

EG: Você é de uma família muito criativa: pais-diretores, tios que são atores. Você sempre quis ser ator? Ou havia outros desejos?

Hero: Quando eu era um garotinho, como qualquer criança em Londres, eu queria jogar futebol em geral, eu gostava de muitas coisas, eu tive passatempos diferentes. Honestamente, o tempo livre muitas vezes faltava bastante, bem, como sempre acontece, com a escola e o dever de casa regular. Mas depois das aulas eu sempre tentei fazer outra coisa, dediquei muito tempo aos esportes. Quanto à atuação, não houve uma coisa que acordei uma manhã e disse a mim mesmo: “Bem, é isso, quero ser ator, ponto final”. Veio gradualmente.

EG: Então você nunca foi muito empenhado em atuar?

Hero: Eu tive aulas de teatro na escola, mas não participei de nenhuma aula extra. Eu estava mais interessado em esportes.

EG: Imagine que as próximas 24h estão absolutamente livres para você e você pode fazer o que quiser. O que você faria?

Hero: Você sabe, minhas próximas 24h estão realmente livres! E adivinhe, eu vou dormir 🙂

EG: Quais são seus planos para o futuro? Talvez algo diferente do que atuar?

Hero: Sim, quero ter tempo para fazer tantas coisas! Por enquanto, vou continuar no jogo, mas veremos.

  • Tradução: Kamila (Equipe Hero Fiennes-Tiffin Brasil)
Arquivado em Artigos, Entrevista, Matérias, Notícias