Sejam bem-vindos ao Hero Fiennes Tiffin Brasil, a sua maior e mais completa fonte sobre o ator. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos.

Showing all posts for Destaque


Mais uma quarta-feira chegou e nós damos sequência ao nosso quadro “Espaço do Fã”, dessa vez com a Letícia, que no Twitter é @BETTERHAVECASH.

Pode começar se apresentando, falando um pouco de ti

Bom, meu nome é Letícia, tenho 26 anos e sou Arquiteta e Urbanista. Estou no Twitter desde a fundação, porém em outras contas, e tô nessa coisa de fã até hoje. Para passar tempo eu assisto bastante série, que a Netflix sempre escolhe as minhas pra cancelar hahahahahaha e leio bastante né, porque nunca é demais se iludir com uma vida que não terei.

Você e o Hero têm algo em comum?

Acho que uma das únicas coisas que eu tenho muito em comum com o Hero, é o jeito de aparentar ser super sério em meio a pessoas que não conhecemos, mas com os amigos nós viramos outra pessoa totalmente diferente. O mesmo gosto por certos tênis, e não sei se ele curte HP tanto quanto eu, mas ele foi o Tom Riddle, então conta né?

O que você mais admira no Hero?

Ai, amiga, o homem todo 🥺 eu amo o jeitinho dele ser tão carinhoso com os fãs, ainda mais agora nos vídeos da fanmio, parece até que somos amigos de anos tipo?? O amor dele pelo próximo em geral, e a mãozinha no peito me mata.

Você é ativa no fandom? Se sente acolhida?

Eu estou praticamente todos os dias, parece até que eu não tenho o que fazer. Sou muito acolhida, tem pessoas até que viraram ponto chave pra mim no fandom, tipo algo como: a fulana representa isso, ele representa aquilo; e nesse conjunto se monta o fandom. Adoro as piadas internas que só nós temos, e o terror que fazemos nas gringas quando é necessário hahaha.

Tem algo que você gostaria de falar para o fandom? Um pedido, um desejo…

Cara, o que eu desejo pro fandom e pra mim, é que todos nós possamos nos encontrar um dia, com o Hero e com a Josephine, e mostrar todas as coisas que a gente fica inventando no fandom, para eles darem altas risadas com a nossa criatividade.

Obrigada por participar Let ❤️

Eu que agradeço ❤️ e avisa que a música do Hero é London Boy da Taylor Swift.

Dando sequência ao nosso quadro “Espaço do Fã”, onde, toda semana, conversamos com uma pessoa do fandom buscando conhecê-la e apresentá-la, dessa vez a nossa convidada é a Adria!

Pode começar se apresentando?

Meu nome é Ádria Nunes, eu moro em Macapá-AP. Eu tenho 21 anos, estudo geografia e culinária. Eu não sei bem o que falar de mim, mas sobre alguns dos meus hobbies, eu gosto muito de ler, viajar e cozinhar (quando eu soube que o Hero também gosta de cozinhar eu fiquei toda feliz).

O que você tem lido ultimamente?

Olha, eu gosto de ler tudo, fantasia, dark romance, distopia, romance, drama, suspense… E atualmente eu tô relendo “Corrupt” da Penelope Douglas. Eu já li antes, mas para relembrar algumas coisas, achei importante reler já que eu quero terminar a série “Devil’s Night” dessa autora.

Para conhecer esse e outros trabalhos da autora, sigam nosso parceiro, Penelope Douglas Brasil.

O que você acha mais interessante sobre o Hero?

Que pergunta difícil!!! São tantas qualidades que o tornam interessante, nem parece possível citar tudo, mas vou falar as principais. O Hero é o meu melhor amigo, definitivamente o meu melhor amigo, as mensagens que eu mando para ele parece até que somos amigos de longa data, eu amo fanficar sobre isso. Enfim, pelo tempo que eu acompanho ele, são dois anos, eu notei várias coisas que o tornam interessante para mim, entre elas está o carisma e a calma, ele sempre trata os fãs bem, ele sempre tem paciência para tudo e todos, a gente vê tantas pessoas que são invasivas com ele, mas ele segue lá, sendo calmo, gentil, carismático e paciente, eu admiro muito isso nele. Outra coisa que o torna interessante é o profissionalismo, meu deus não existe outro Hardin Scott que não seja ele, ele é o Hardin Scott e sempre vai ser. Eu me identifico muito com o personagem do Hardin, acredito que seja por isso que me apeguei e sou apegada ao Hero. Eu já consegui assistir After We Fell e o amadurecimento, o desenvolvimento dele como ator, nesse filme é nítido; as mudanças, ele tá mais seguro, sabe exatamente o que está fazendo, óbvio que a atuação dele sempre foi impecável, mas nesse filme em especial, ele é o Hardin Scott. Essas são algumas das coisas que eu admiro nele e o tornam interessante para mim.

E sua relação com o fandom? Você se sente acolhida? Fez amigos ao longo desses anos?

Eu só tenho 1 amiga do fandom, a Natalia! Eu entrei esse ano no twitter e inclusive foi depois de conhecer a Natalia. Ela me falou que lá chega tudo em primeira mão, que todo mundo interage melhor e é mais fácil de conhecer o fandom (e é verdade, um dia desses a gente subiu a tag AWF NOS CINEMAS e eu fiquei muito emocionada, todo mundo interagindo, foi a minha primeira vez e foi muito marcante). Antes do twitter, eu só interagia em publicações do instagram e facebook, respondendo stories, compartilhando, nada muito específico. No meu ciclo de amizade não tenho amigos que gostem ao ponto de fazer parte do fandom e tudo, mas tenho amigas que já assistiram ao filme e gostaram. E outra coisa, eu conheci a Natalia justamente defendendo after de uns haters no instagram (ótimo início de amizade né), enfim, eu acho que daqui a um tempo algo pode se concretizar, posso conhecer e me tornar amiga de algumas pessoas do fandom <3

“Queríamos dar esse filme aos fãs o mais rápido possível, então procuramos uma maneira de filmar com todas as precauções de segurança que podíamos”, conta ao Escribiendo Cine.

O intérprete encara uma vez mais o Hardin na saga After, baseado nos best sellers de Anna Todd, que conta com Josephine Langford como Tessa, em um capítulo super esperado pelos fãs.

Você interpretou o Hardin durante muito tempo, qual é a sua opinião sobre ele à esta altura?

É uma honra e um privilégio interpretar o personagem em quatro filmes. Creio que mais adiante vou pensar que foi genial poder fazer o mesmo personagem quatro vezes. Eu não acho que isso aconteça com muita frequência.

É fácil interpretá-lo (Hardin) em cada filme?

Sempre é muito fácil conectar com Hardin. Você começa de onde deixou o personagem da vez anterior e tem que construí-lo a partir daí porque cada novo roteiro tem coisas diferentes e requere que faça coisas diferentes com o personagem.

Quais semelhanças você tem com esse personagem?

Em quanto semelhanças, não sei. Sem dúvida somos parecidos em algumas coisas e diferentes em outras. Me parece que aprendi muito com seus erros e a forma em que se comporta em uma relação me diz para agir diferente. Posso cometer seus erros e não tenho que enfrentar as consequências em minha própria vida. E sim, é divertido poder fazer uma espécie de tentativa e erro.

Como experimentou a resposta dos fãs desde que aceitou o papel de Hardin?

É genial. Fico lisonjeado que as pessoas admirem nosso trabalho a ponto de nos apoiar tanto. No entanto, no início, ele foi, sem dúvida, esmagador. Não era nosso maior objetivo. Simplesmente estava tratando de atuar e realizar um trabalho que eu estava orgulhoso e do qual eu pudesse pagar minhas contas. Da noite para o dia, tudo explodiu e certamente foi um enorme aprendizado ter que me adaptar a isso e me sentir confortável. A quarentena com certeza me ajudou no sentido de que tive tempo para relaxar e ser um pouco mais introspectivo. Essa experiência me ajudou a enfrentar melhor o outro já que, às vezes, todas essas questões se tornam muito opressivas. Tem sido um processo. Houveram muitas mudanças nas redes sociais, mas o meu dia a dia, meus amigos, onde eu almoço ou janto, esse tipo de coisa não mudou. O que eu faço no meu tempo livre e com quem eu saio também não mudou e essa é a beleza disso tudo.

Castille Landon assumiu a responsabilidade de dirigir After: Depois do Desencontro e o último filme. Como foi trabalhar com uma diretora como ela?

Em primeiro lugar, foi fantástico. Me encanta trabalhar com ela. É muito inteligente e talentosa. Creio que sua parte mais importante como diretora é que tem um nível de preparação e planejamento interessante e incrível e, além disso, sabe controlar a situação. É tão, tão organizado a ponto de saber tudo com clareza. Quando ela entra no set, tudo flui, o que não acontece com tanta frequência em um set. Por isso, se você tiver uma pessoa meticulosa com sua preparação e planejamento, poderá trabalhar com muito mais liberdade no set. Ela confiou tanto em nós que nos sentimos como se tivessem nos dado um quadro em branco para trabalhar, o qual nos permitiu fazer o que fazemos com máxima liberdade. Ela foi maravilhosa.

O filme foi gravado durante o pico mais alto da pandemia. Como foi filmar nessas condições na Bulgária?

Foi interessante. Quero dizer, é bastante positivo filmar dois filmes consecutivamente. Porém, no meio de uma pandemia é outra coisa. Minha conclusão foi que valeu a pena. No entanto, logicamente para cuidar da saúde e da segurança de todos estávamos muito limitados em quase tudo: não podíamos sair do piso do hotel e íamos direto ao set. Queríamos dar esse filme aos fãs mais rápido possível, então procuramos uma maneira de filmar com todas as precauções de segurança que podíamos. Sem dúvida, foi um desafio. Espero não ter que filmar mais com os protocolos do Covid-19 em vigência. Claro, isso tornou o processo mais desafiador, mas no final, saímos com louvor.

Fonte: EscribiendoCine | Tradução: Equipe Hero Fiennes Tiffin Brasil

O ator interpreta Hardin Scott em “After: Depois do Desencontro”, que estreia em 3 de setembro. Ele nos conta sobre sua perspectiva sobre saúde mental e Instagram, a relação que tem com seu personagem e algumas anedotas das filmagens.

[…] Falamos com Hero, ou melhor, Hardin Scott em ‘After: Depois do Desencontro’ sobre este capítulo final. Ele nos conta sua perspectiva sobre saúde mental e Instagram, sua relação com seu personagem e algumas anedotas importantes da gravação.

O que você leva desse terceiro filme?

É um prazer estar de volta e uma honra poder trazer esse personagem à vida mais uma vez. Tenho que agradecer aos fãs por nos apoiarem, devemos tudo a eles! Espero que o terceiro filme seja o que eles esperam. Eu amo esta última edição, espero que gostem tanto quanto nós. Estou muito animado.

Qual dos três filmes é seu favorito?

O terceiro ou o quarto. Tenho procurado melhorar a cada filme, nem sempre é tão fácil quando você faz várias partes da mesma história. Mas acho que conseguimos, acho que encontramos uma maneira de fazer melhor a cada vez.

Como você se preparou para interpretar o papel de Hardin, um garoto tóxico e, a princípio, bastante sombrio?

É uma pergunta muito boa que, além disso, também me fiz. Eu aprendi que você não pode julgar seu personagem, se você está interpretando ele, você tem que encontrar uma maneira de, pelo menos, emocionalmente ou logicamente, justificar porque este é o caso, e isso é um grande desafio. Além disso, foi mais difícil interpretá-lo antes que o público pudesse ver no segundo filme o que o torna daquele jeito e por que os demônios de sua infância o levaram a se comportar assim. Foi difícil encontrar uma forma de justificar sua atitude, mas é muito importante fazê-lo.

O que o mantém com os pés no chão?

Devo isso aos meus amigos, às pessoas ao meu redor e ao lugar onde cresci, porque lá parece que nada mudou. Eles não me tratam de maneira diferente e essa é a principal razão pela qual posso permanecer com os pés no chão.

Hardin é um menino muito tóxico, tem muitos problemas psicológicos…

Sim, a verdade é que ele é muito inteligente, mas tem muito o que lidar. É muito difícil para ele fazer isso. Conheço pessoas que estão lutando na mesma situação e é muito difícil. O que ele tem é esperança e força de vontade, e quem mais o ajuda é Tessa. Ele tenta, você pode ver em todos os momentos que ele tenta fazer o melhor que pode, mas é muito difícil trabalhar isso considerando o seu jeito de ser.

O que você acha sobre saúde mental? Você acha que é importante dar visibilidade?

Sim, é definitivamente muito importante, concordo totalmente. A gente sabe tanto sobre tantas coisas, mas existe um vazio enorme quando o assunto é saúde mental… É bom ver as pessoas falando muito mais sobre isso, é urgente!

Agora que avançamos na saúde mental, você acha que personagens com a imagem do bad boy com problemas acabarão por se extinguir?

Mmmm eu não sei. Não acho que necessariamente vá acabar. Também não acho que seja uma coisa ruim, porque quando você explora a parte mais extrema da personalidade um do outro, você aprende como não precisa estar na vida real, e isso é através do entretenimento. Acho que é importante ter personagens com problemas, para que possamos aprender com eles.

Existe algo que você mudaria em seu personagem?

Não, não acho que mudaria nada. Se fosse na vida real, teria muito no que trabalhar. Mas com o propósito de entreter, acho que ele é perfeito. Os personagens que Anna Todd criou são incríveis, mas o que mais gosto em ir para o trabalho é poder interpretar este em particular. É um privilégio.

E o que você aprendeu com ele?

Sim, muitas coisas. Acima de tudo, a importância do autocontrole, algo que ele não tem e que acho muito importante. Tente não agir irracionalmente e emocionalmente, obviamente suas emoções influenciam as decisões, mas… você me entende. Não aja impulsivamente, mas logicamente e não tenha pressa, porque do contrário você se arrependerá. Dê um tempo, reflita sobre isso.

Você já foi um pouco Hardin na vida real?

Sim, acho que todos nós fomos. Todos se sentem identificados até certo ponto, mas eu levo o meu ao extremo. Cada vez que coloco um casaco, lembro-me dele. É como se ele perseguisse você, se tornasse parte de você e ficasse com você.

Seus tios são Ralph e Joseph Fiennes, dois grandes atores conhecidos. Que conselho eles já lhe deram quando se trata de atuar?

Você sabe o que? Eles fizeram isso brevemente e eu sei que se eu perguntasse, eles fariam mais. Nunca nos sentamos e tomamos notas, mas se alguma vez precisei de algum conselho, eles sempre estiveram lá; na verdade, perguntei a eles algumas vezes. Não muito, mas eles estão definitivamente lá se eu precisar deles.

Existe muita diferença entre o livro ‘After We Fell’ e o filme?

Sim. A verdade é que não li os livros porque sabia que seriam diferentes do roteiro. É triste, mas você não pode torná-lo exatamente igual ao original, há muitas coisas que precisam mudar. Tenho certeza que o filme tenta ficar o mais próximo possível do livro nos pontos principais, mas há outros que não funcionam da mesma forma e que precisam ser mudados e adaptados pela natureza.

Você tem 7,5 milhões de seguidores no Instagram, mas mal faz upload de fotos. Você não os usa muito? O que você acha das redes sociais?

Redes sociais são ótimas para muitas coisas, é uma plataforma ótima, muito poderosa, acho que no geral é uma coisa muito positiva. Cresci sem elas, usando-as apenas para manter contato com meus amigos ou para avisar quando estava passando a noite fora, e agora mudei para relacioná-las mais ao trabalho. Eu amo ver o apoio dos fãs. É demais para mim, às vezes me oprime.

Eu me sinto estranho postando muito e documentando minha vida quando eu prefiro ver com meus próprios olhos ao invés de uma tela. Talvez um dia eu acorde e comece a postar mais, vai em fases. Uma rede social pode te sugar com muita facilidade e, para ser honesto, estou gostando de não postar constantemente. Mas eu acho que no geral é ótima.

Você também é um modelo. Qual das duas profissões você mais gosta? Quer tentar mais alguma coisa?

Definitivamente, atuar. Sou muito grato pelos trabalhos como modelo que tive, mas acho que atuar exige mais criatividade.

Você pode revelar algo sobre seus próximos projetos?

Eu tenho um filme que terminei há um mês em Los Angeles, ‘First Love’, que estou ansioso para as pessoas assistirem e acho que será possível até o final deste ano. E outro que não tenho certeza se posso falar, mas que já terminei de gravar e que espero que saia ainda este ano. Quero estar sempre em contato com as pessoas e em busca de novos projetos.

Como você encara essa nova etapa, agora que a pandemia está muito mais avançada?

Acho que felizmente estamos voltando aos poucos à normalidade, o que é muito bom. Gosto de como era a minha vida e como está agora, mudou em alguns aspectos, mas em muitos outros continua a mesma.

Você se lembra de alguma anedota legal das gravações?

Lembro-me de uma com Jo e Chance (Perdomo). Cada vez que um de nós entrava em seu quarto, colocávamos algo em sua porta para que ele não pudesse sair. Começamos com um copo d’água, depois uma cadeira, depois um sofá… Porque estávamos no 24º andar do hotel e não podíamos sair de lá e tínhamos que nos divertir de alguma forma.

Fonte: Cosmopolitan | Tradução e Adaptação: Equipe Hero Fiennes Tiffin Brasil

01 set
2021
Postado por HFTBR

Por: Caroline Santos

Há muito tempo pensamos em como podemos ser um pouco mais úteis para o fandom, retribuir o apoio e confiança que vocês depositam na gente, e também ter uma comunidade em que possamos compartilhar nossos mesmos gostos, nesse caso, o amor e carinho que temos pelo Hero.

Pensando nisso, conversamos e decidimos criar uma coluna em nosso site chamada “Espaço do Fã”, e semanalmente apresentar a vocês uma pessoa do fandom, para que a gente possa se conhecer melhor, interagir mais e nos aproximarmos. Nossa intenção é que seja um espaço de conforto, você pode se divulgar, desabafar, mostrar sua gratidão e o que mais sentir vontade.

Dando início ao projeto, conversamos um pouco com a Lari, @perfecthessa e você pode conferir abaixo:

C: Ok Lari, pode começar falando um pouquinho sobre você?

L: Claro! Meu nome é Larissa, eu tenho 19 anos e moro em São Paulo. Eu conheço o mundinho After a bastante tempo mas só criei minha conta ano passado e me apaixonei por tudo. Incluindo um pouquinho dos meus hobbies além disso, eu sou apaixonada por música e leitura. Amo estudar sobre artistas, indústria musical e ler livros no tempo livre. 🙂

C: Como você tem passado nesse cenário de pandemia? A interação no fandom tem ajudado de alguma forma?

L: Com certeza! A pandemia virou minha vida de cabeça pra baixo totalmente, emocionalmente falando. Minha rotina mudou, comecei a fazer tudo de casa, perdi pessoas, então eu literalmente entrei para o fandom na pior fase da minha vida. After, Hero e Jo, Anna, todos foram tipo uma salvação pra mim. Conhecer todas essas pessoas maravilhosas do fandom, dividir esse sentimento com eles me ajuda todos os dias.

C: Tem alguma história específica que você gostaria de contar? Uma lembrança, um momento que te marcou durante esse tempo de fandom?

L: Tem muitasss. Mas vou citar duas coisas que são muito importantes pra mim. Quando o teaser foi lançado esse ano foi completamente incrível, foi um evento, o fandom todo se reuniu para subir tag e promover o filme. Ficamos de manhã até de noite curtindo aquele dia e lembro que todo mundo sentiu o mesmo sentimento incrível.
A outra história é que conheci duas amigas ano passado, através do fandom e criamos um grupo, desde lá não nos desgrudamos e vamos nos encontrar para assistir o filme juntas essa semana, pela primeira vez. então isso me marca muito! 🤍

C: Há algo que você tem vontade de dizer ao fandom? Um pedido, um conselho, uma observação?

L: Primeiramente eu queria agradecer todo mundo por fazer parte dessa família e quero que eles saibam que minhas melhores histórias são com eles. E se eu pudesse pedir algo, eu só pediria que pudéssemos aproveitar essas últimas eras com todo nosso coração, aproveitar nossos favs como nossos personagens preferidos pelas últimas vezes. Antes que eu me esqueça, eu só queria deixar frisado aqui que eu sou extremamente grata pelo Hero ter entrado na minha vida. Ele é umas melhores pessoas que eu já conheci na vida, mesmo sem conhecer. Mesmo sem saber, ele já me salvou de muita coisa e eu o amo com todo meu coração. Protejo meu menino com unhas e dentes. 🚀❤️ Enfim, muito obrigada por ter me escolhido pra essa entrevista, eu amei muito fazer parte disso!!! 🥺🤍

C: Eu que agradeço. Nem consigo dizer o quanto importa para a gente ❤

A estrela do filme “After ” Hero Fiennes-Tiffin: “Minha mãe adora música russa – Tchaikovsky e Rachmaninov, às vezes até interpreta ela mesma”

O ator principal e sua colega da franquia, Josephine Langford, deram uma entrevista à Vokrug TV na vésperas do lançamento do terceiro filme da franquia.

Na primavera de 2019, foi lançada a primeira parte da franquia de filmes “After” baseada no best-seller de Anna Todd. Uma aluna gentil em todos os aspectos, Tessa (Josephine Langford) se apaixonou pelo charmoso “badboy” Hardin (Hero Fiennes Tiffin, sobrinho do ator e diretor Ralph Fiennes). Ao longo de dois filmes, eles às vezes se enlaçavam em abraços apaixonados, depois se xingavam e prometiam nunca mais se ver.

Em 2 de setembro de 2021, os telespectadores russos poderão ver a continuação da história de Hardin e Tessa no melodrama After: Depois do Desencontro”. Na véspera da estreia, os intérpretes dos papéis principais responderam às perguntas do correspondente da Vokrug TV.

VT: No terceiro filme da franquia After, o diretor mudou novamente, agora o posto é assumido por Castille Landon. Como foi trabalhar com ela?

JL: Eu realmente gostei de trabalhar com Castille. Sim, nosso diretor mudava todas as vezes, e Castille trouxe sua visão para o terceiro filme – atenção aos detalhes e determinação. Ela sabe escolher o take certo, pode ser muito criativa.

HFT: Oh, Castille é incrível. Ela é super talentosa e muito trabalhadora, ela se levanta antes de todo mundo, vai para a cama mais tarde do que todo mundo, constantemente tenta de alguma forma finalizar o roteiro, mesmo em seu tempo livre. Acho que esse nível de preparação em que tudo é cuidadosamente planejado nos liberta em grande parte como atores. Isso permite que você aproveite o processo, expresse-se totalmente, não pense em nada além de nossos heróis e atuação.

VT: Ficou mais fácil para você atuar em cenas explícitas, que são muitas no filme “After: Depois do Desencontro” dirigido por uma diretora?

JL: Acho que não tenho muita experiência em trabalhar com cineastas para dizer que me sinto mais confortável com ela. Mas Castill fez um excelente trabalho, ela é muito cuidadosa com os sentimentos dos atores. Acho que é porque ela mesma era atriz.

HFT: Sim, acho que não se trata apenas de quem está na cadeira do diretor – um homem ou uma mulher. Também depende apenas da pessoa. Embora, é claro, haja uma diferença de abordagem. Mas o mais importante para mim era o fato de que agora havia um coordenador de cena de sexo no set. Olhando para trás, entendo que tal pessoa é simplesmente necessária em nosso trabalho. Quando você está filmando um filme com muitas acrobacias perigosos, há também um coordenador de acrobacias que garante que tudo esteja em ordem, confortável e seguro. Portanto, se houver três ou quatro episódios explícitos em um filme, faz sentido que você precise de um coordenador de cenas de sexo. Acho que sua presença afetou mais do que o gênero do diretor.

VT: No terceiro filme, muitos dos atores que interpretaram personagens coadjuvantes foram forçados a deixar o projeto por vários motivos. Há alguém de quem você mais sentirá falta?

JL: Vou sentir falta de todos. Temos um ótimo elenco! Claro, é triste que alguém desistiu e alguém foi substituído, mas tivemos muita sorte: todos os recém-chegados se juntaram perfeitamente à equipe e se acostumaram com o papel perfeitamente.

HFT: Sim, é difícil escolher alguém em particular, eu me dava bem com todos. Acho que vou sentir falta dos Dylans – Sprouse e Arnold. Sim, vou sentir mais falta de Dylan Arnold. Ele estava conosco desde o início, interpretando Noah, o primeiro namorado de Tessa, e eu me pergunto se seu personagem poderia, de alguma forma, voltar à história.

VT: E com Trevor, interpretado por Dylan Sprouse, Hardin teve um conflito no último filme. Se você tivesse que lutar com ele na vida real, quem venceria?

HFT: Boa pergunta. Dylan é um cara durão, então acho que isso seria uma luta. Ele não é tão grande, mas você pode ver que ele vai para a academia. Provavelmente, nossas chances são iguais, mas aposto em mim mesmo. Acho que poderia ganhar, mas “na altura”.

VT: O filme “After: Depois da Verdade” foi, em muitos aspectos, a história de Hardin: aprendemos mais sobre seu passado, começamos a entender melhor por que ele se comporta dessa maneira. E na terceira parte, quem recebe mais atenção?

JL: Não acho que o segundo filme foi a história de Hardin. Era sobre os dois personagens, sobre seu relacionamento em primeiro lugar.

HFT: Mas o primeiro livro foi escrito inteiramente em nome de Tessa, e o segundo tem capítulos em nome de Hardin, então acho que é um ponto justo. Tentamos refletir isso nos filmes, então acho que houve um ligeiro viés na primeira parte em direção a Tessa, na segunda em direção a Hardin, e na terceira conseguimos o equilíbrio perfeito, e no quarto filme eles também serão igualmente representado.

JL: Sim, não faz sentido contar os minutos do tempo na tela, “After: Depois do Desencontro” é a história de Hardin e Tessa, um filme sobre como eles influenciam um ao outro.

VT: No filme “After: Depois do Desencontro” seus personagens têm uma escolha: Hardin planeja partir para o Reino Unido e levar Tessa com ele, enquanto ela quer ficar para trabalhar nos EUA. O que você escolheria: Grã-Bretanha ou Estados Unidos?

HFT: Bem, é elementar, sempre escolherei apenas o Reino Unido. Eu gosto da América, amo Nova York, amo Los Angeles. Eu amo sair por aí, mas meu coração pertence a Londres – e sempre pertencerá.

JL: E eu estive no Reino Unido apenas cerca de quatro dias, e isso foi há dez anos, então é difícil para mim julgar este país. Eu sou da Austrália, agora trabalho nos EUA, mas no futuro poderia me mudar para a Grã-Bretanha, por que não?

VT: Mas para Tessa, essa escolha também é entre o emprego dos sonhos e o amor de sua vida. O que você escolheria em tal situação?

JL: Meu instinto me diz que eu escolheria um trabalho. Mas eu nunca tive nessa situação antes, então não posso prever que decisão tomaria no momento.

VT: Tem-se a impressão de que Hardin faz uma nova tatuagem toda vez que algo desagradável acontece com ele. No terceiro filme, muitos momentos dramáticos o aguardam. O que Hardin fará quando ficar sem espaço na pele?

HFT: Oh sim, essas tatuagens demoram muito tempo também! Às vezes você tem que sentar por várias horas enquanto os maquiadores terminam seu trabalho. Então eu não me importaria se ele decidisse misturar algumas tatuagens, embora fiquem lindas. Mas ele ainda tem lugar, Hardin não tem uma única tatuagem abaixo da cintura. Todas as pernas podem ser marteladas, vai demorar mais cinco a dez anos, eu acho.

VT: Qual das tatuagens dele você mais gosta?

HFT: Eu gosto da cobra, ela está enfiada nas costas da mão direita. Esta é uma das poucas tatuagens dele que tem cor.

VT: Josephine, com quem é mais difícil para Tessa encontrar uma linguagem comum: com Hardin ou com o pai?

JL: Pergunta difícil. Tessa não tinha visto seu pai por cerca de dez anos. Ela era muito jovem quando eles pararam de se comunicar. Mesmo assim, é mais difícil para ela encontrar uma linguagem comum com Hardin, apesar de se amarem. Sabe quando você ama uma pessoa, mas não consegue se dar bem com ela?

VT: Hero, seu nome significa herói. Seus pais elevaram o nível ao chamá-lo assim. Você atende às expectativas deles? Você pode se chamar de herói?

HFT: Oh não, definitivamente não sou um herói. Mas eles colocaram uma expectativa alta, isso é um fato. Mas ajuda a iniciar uma conversa. Basta-me simplesmente apresentar-me – e nos próximos minutos falaremos apenas sobre o meu nome. Mas não me considero um herói. No entanto, se você quiser me considerar um herói, não me importo.

VT: O herói precisa de uma façanha. O que você acha que poderia realizar?

HFT: Eu nem sei. Se eu salvar a vida de alguém, isso contará? Por exemplo, um cachorro que quase foi atropelado por um carro. Lembra da cena de abertura de Hitch: Conselheiro Amoroso, onde Will Smith preparou as coisas para fazer o outro cara parecer um herói? Sim, exatamente, eu teria salvado o cachorrinho. Todo mundo adora cachorros.

VT: Josephine, no trailer de After: Capítulo 2 Tessa diz que ultimamente ela aprendeu muito bem o que é dor. Algum momento doloroso aconteceu em sua vida?

JL: Todo mundo teve esses momentos, não é? Cada pessoa pode se lembrar de algo diferente quando se trata de dor.

VT: Você usou essa experiência enquanto trabalhava no papel?

JL: Provavelmente não. A menos que inconscientemente. Nem sempre entendo de onde vem esse ou aquele sentimento quando estou na frente das câmeras. Às vezes, é apenas atuação. Afinal, quando você interpreta um serial killer, espero que você não precise realmente matar alguém para entrar no papel. Você acabou de entrar, esse é o seu trabalho. Mas às vezes recorro à minha própria experiência. No caso de Tessa, e na maioria dos papéis, ambos são verdadeiros.

VT: Hero, um de seus primeiros filmes foi o jovem Tom Riddle em Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Você gostaria de interpretar alguém em Animais Fantásticos?

HFT: Sinceramente, não os assisti. Mas, claro, eu gostaria de jogar. Não posso dizer quem exatamente, mas isso seria ótimo.

VT: Alguns consideram a relação entre Hardin e Tessa tóxica, outros têm certeza de que o amor verdadeiro é assim. O que você acha?

JL: Acho que o amor é diferente para cada pessoa. Mas Tessa e Hardin têm um relacionamento doentio, essa é a história toda. Esses não são relacionamentos pelos quais se esforçar, mas você pode aprender com os erros de nossos personagens.

VT: Por que as meninas cometem tais erros? Por que eles se apaixonam pelos “bandidos” às vezes?

JL : Não tenho resposta para essa pergunta. Mas nem todo mundo se apaixona por isso. Acho que é tudo uma questão de autoconfiança. Algumas garotas gostam dos bandidos, seja lá o que isso signifique, não porque façam algo ruim, mas porque são confiantes. Mas esta é apenas a minha opinião.

VT: Hero, no ano passado perguntei se você escuta música russa. Você perguntou alguns nomes, mas não havia tempo suficiente para isso. Talvez desde então você mesmo tenha conseguido ouvir alguém?

HFT: Não. Mas, você sabe, minha mãe (diretora Martha Fiennes. – Ed.) Ama música russa antiga – Tchaikovsky, Rachmaninoff. Às vezes, ela até interpreta alguma coisa ela mesma. Talvez você deva pedir um conselho a ela.




Hero Beauregard Faulkner Fiennes Tiffin (Londres, 6 de novembro de 1997) é um ator e modelo britânico, conhecido por interpretar o jovem Tom Riddle em Harry Potter e o Enigma do Príncipe em 2009. Hero nasceu em Londres, Inglaterra, filho do roteirista George Tiffin e da diretora cinematográfica Martha Fiennes. Tiffin tem um irmão mais velho chamado Titan e uma irmã caçula chamada Mercy.
Saiba mais
Status do site

Nome: Hero Fiennes-Tiffin Brasil
No ar Desde: 06/11/2018
Equipe:  Conheça nossa equipe.
Visitas: |
Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy
O Hero Fiennes-Tiffin Brasil não tem qualquer ligação com o Hero, familiares, diretores e seu agente. Todo o material postado aqui é de propriedade de seus respectivos autores. Pedimos que se usarem algo da nossa autoria, como traduções, fotos ou qualquer outra coisa, por favor não esqueçam de creditar. Se você é dono de algum material que foi postado aqui e deseja que seja removido, entre em contato antes de tomar qualquer ação legal.

APARIÇÕES E EVENTOS ENSAIOS FOTOGRÁFICOS E CAMPANHAS FLAGRAS FILMES SÉRIES SCANS VARIADAS